Associação dos Antigos Alunos da PUC-Rio

Seja um associado

As lições dos heróis e anti-heróis da Rio 2016

25 de agosto de 2016

Os personagens que mais se destacaram na Rio 2016 oferecem lições importantes para a educação da escola e da família.

Primeiro, o exemplo dos heróis. Eles mostraram que lidar bem com o fracasso é fundamental para alcançar vitórias, tanto no esporte, como na vida. Só alcança o pódio quem caiu, levantou, teve coragem e perseverança para tentar outra vez. É essa atitude que nos torna mais fortes.

Apesar disso, na educação dos filhos, muitos pais colocam as crianças numa redoma, tentando mascarar seus tropeços. Na escola, a forma de lidar com notas baixas e até reprovações em algumas matérias acaba fazendo com que os alunos, em vez de encarar os desafios, passem a evitá-las  - exemplo da matemática, o bicho-papão de muitos que desistem porque “não levam jeito para números”.

Essa apatia diante de fracassos iniciais não deve ser estimulada pelos pais. Há que ensinar que as vitórias são construídas com quedas e novos esforços. Cada herói olímpico conquistou esse lugar porque disse: “Eu vou conseguir”.

Infelizmente também existiram os anti-heróis e suas ações, por sua vez, também podem ser material para o ensino a partir de certas chaves de leitura. O caso de Ryan Lochte e o grupo de nadadores americanos é exemplar às avessas. Mentira, calúnia, depredação de bens públicos, bebedeira ao longo da madrugada, nada disso combina com o que se espera de um ídolo olímpico.

A atitude do grupo dos EUA, inventando um falso assalto cometido por brasileiros, não foi só uma afronta aos anfitriões dos Jogos, mas também um deliberado desprezo pelo sentimento de milhares de crianças americanas, que podiam tê-los como ídolos e modelos.

Os Jogos 2016 deixam um legado educacional importante para que pais e professores, através desses exemplos, ensinem atitudes de vida e reforcem valores de disciplina, bravura, honradez e humildade.

Na foto abaixo, o ginasta Diego Hypólito que ganhou medalha de prata na Rio 2016, após ser derrotado nas duas últimas olimpíadas e enfrentar um período de depressão.

Por: Andrea Ramal

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Please enable javascript to post a comment !

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Últimas Notícias

  • 8 de outubro de 2019

    Programação Centro Loyola de Fé e Cultura

    Escola de Espiritualidade: Meditação das duas bandeiras

    Data: 19 de outubro, das 9h às 18h. Taxa: R$ 100. Será emitido certificado com carga horária total de 8 horas/aula.

    Retiro Inaciano de Finados: a arte de viver, envelhecer e morrer

    Data: 2 (...) Leia mais

  • 8 de outubro de 2019

    Controle de Agrotóxicos

    O Núcleo Interdisciplinar do Meio Ambiente (NIMA) organiza o Workshop e Seminário sobre Sustentabilidade e Celeridade no Controle de Agrotóxicos nos dias 14 e 15, das 9h às 18h. O diretor do NIMA, professor Tácio M.P. de Campos, e professor Tomaz Langenbach, ambos do Departamento de Engenharia Civil, coordenam as atividades. No pr (...) Leia mais

  • 7 de outubro de 2019

    Painel: "O Fator D: O que mata um projeto é o detalhe"

    Leia mais