Associação dos Antigos Alunos da PUC-Rio

Seja um associado

Estudo da PUC-Rio cria moléculas que podem matar células de câncer

29 de fevereiro de 2016

Há bons resultados para câncer de mama e leucemia, mas ainda falta testar em humanos

RIO — Duas moléculas sintéticas, ambas da classe dos alcaloides, apresentaram bons resultados para interromper o ciclo de desenvolvimento de células cancerosas em testes da Pontifícia Universidade Católica (PUC-Rio). Enquanto o trabalho realizado pelo mestre em química Jhony Mauricio Cifuentes revelou aparente eficácia para tratar leucemia, a pesquisa da também mestre em química Joseane Alves Mendes mostrou uma molécula capaz de parar o câncer de mama.

As substâncias sao chamadas de carbazóis e tiveram suas estruturas criadas a partir de moléculas encontradas na natureza.

— Existem muitos carbazóis encontrados em plantas e seres marinhos, como esponjas do mar. Mas as nossas moléculas são sintéticas — explica a professora de química Camilla Buarque, orientadora das pesquisas. — Testamos essas moléculas em vários tipos de câncer, como o de cólon, o neuroblastoma, que é o que atinge o cérebro… Mas não funcionou tanto. Já para câncer de mama e leucemia, os resultados foram muito promissores.

O próximo passo, segundo ela, é testar em camundongos para verificar como é a interação das moléculas no metabolismo. Esta etapa deve começar em março. Depois disso, testes em humanos serão necessários.

— Um aspecto importante que percebemos já nos primeiros testes é que o índice terapêutico dessas substâncias é alto, o que significa que a toxicidade delas é baixa para as células sadias. Assim, só as células doentes morrem — diz a professora.

De acordo com Camilla, o motivo de essas moléculas se mostrarem capazes de parar o ciclo de desenvolvimento de células cancerosas ainda é desconhecido. A principal hipótese é de que elas interajam com alguma enzima que seja importante para a células do câncer. É atrás desta enzima que os pesquisadores estão.

RESISTÊNCIA DAS CÉLULAS CANCEROSAS É SUPERADA

Outra característica animadora que foi percebida nessas substâncias é que elas parecem ser ativas mesmo em células cancerosas muito resistentes. Em geral, muitas drogas que de início conseguiam atuar bem para tratar o câncer passam a, com o tempo, serem jogadas para fora da célula. é como se uma resistência ao medicamento fosse criada. O que Camilla notou, porém, é que as duas moléculas alcaloides estudadas superam esse mecanismo.

— Ainda não sabemos nem como nem por que elas fazem isso. Mas é um dado muito importante para a gente, porque não adianta criar uma molécula que, na teoria, funciona, mas é expulsa da célula com o tempo. Isso acontece com muitos medicamentos existentes, o que faz com que os tratamentos parem de dar resultado depois de algum tempo — conta ela, que orientou as pesquisas em parceria com o Instituto de Pesquisas de Produtos Naturais da UFRJ e com apoio do Inca.

O câncer é responsável por, pelo menos, oito milhões de mortes em aproximadamente 14 milhões de casos em todo o mundo. Os dados são da Organização Mundial da Saúde (OMS), que estima um aumento de 70% no índice até 2035.

Fonte: O Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Please enable javascript to post a comment !

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Últimas Notícias

  • 12 de dezembro de 2018

    Consagração à Nossa Senhora de Guadalupe

    Evento na Marina da Glória, dia 12/12, com abertura dos portões às 17h. Leia mais
  • 10 de dezembro de 2018

    Conversa Musicada Festa de Natal da PUC-Rio

    A festa de encerramento das atividades de 2018 do Centro Loyola de Fé e Cultura será na sede da instituição, na sexta-feira, 14/12, às 18h30. Haverá uma conversa musicada com o músico Gustavo Mouro, que tocará sucessos da Bossa Nova, Tropicália e Clube da Esquina. A confraternização também marca o início das comemorações pelos 25 ano (...) Leia mais
  • 10 de dezembro de 2018

    O Mundo Quântico

    Na quinta-feira, 13, às 17h30, ocorrerá a palestra Sutilezas do Mundo Quântico, no Seminário Religião e Ciência, na sala 102-K. O palestrante será o professor Luiz Davidovich, do Instituto de Física da UFRJ, que vai expor a dualidade onda-partícula, o princípio da superposição e o emaranhamento. Leia mais